203404293487296 AI, MINHAS COSTAS!

© 2019 por Mônica Martins Nobrega - proibida a reprodução total ou parcial de todo o conteúdo deste site.

  • whatsapp_icon
  • gmail
  • facebook_icon
  • instagram-icone-novo_1057-2227
  • YouTube Social  Icon

Condomínio Infinity Prime Offices - Av. Anita Garibaldi, 850 / Sala 608, Torre C- Cabral, Curitiba / PR - 80540-400 - Whatsapp: 41 98531-7009

September 18, 2019

October 30, 2018

Please reload

Posts Recentes

Por que praticar Pilates?

May 17, 2019

1/4
Please reload

Posts Em Destaque

AI, MINHAS COSTAS!

August 1, 2017

Em minha prática profissional como professora de Pilates tenho observado um aumento significativo nos casos de dores no corpo, notadamente na região lombar. É bem provável que esses quadros tenham sua causa no sedentarismo e na adoção de más posturas.

 

A lombalgia tem uma relação íntima com a flexibilidade, uma qualidade física importante para a saúde. Sua manutenção ou desenvolvimento colabora para a prevenção de diversos males, entre eles as lesões e os espasmos musculares, a má postura e as dores nas costas.

 

Apesar disso, a prática de exercícios para o desenvolvimento da flexibilidade fica relegada ao segundo plano. A falta de mobilidade e a restrição da amplitude de movimentos, muitas vezes imposta pela realidade ocupacional do indivíduo, provoca encurtamentos e desequilíbrios musculares que acarretam compensações do corpo, desalinhando-o.

 

A etiologia da dor lombar ainda permanece obscura, assim como a de outras condições dolorosas. Os recursos tecnológicos disponibilizam informações, mas ainda ocorre uma inabilidade em delimitar os problemas que acometem a coluna vertebral. GRIEVE afirma que existe uma considerável confusão na área médica acerca da dor lombar e ao tratamento mais eficiente para tratá-la e conclui que a maioria dos casos tende a se resolver espontaneamente, o que pode levar tempo.

 

CAILLIET defende que a dor lombar a partir da história e do exame físico do paciente tem causas musculares, neurogênicas ou patológicas, sendo que a maior parte tem relação com os tecidos moles, o que é difícil documentar. Além disso, nem sempre os acometidos pela dor procuram o atendimento médico; quando procuram são poucos os episódios que interferem com as atividades profissionais desses indivíduos, sendo, em geral, as ausências no trabalho devido às lombalgias temporárias.

 

Diversas pesquisas científicas, como a realizada por BROWN, determinaram que aproximadamente 80% de todos os problemas lombares são de origem muscular e que os pacientes que sofrem de lombalgia crônica, em geral, apresentam uma musculatura lombar fraca. O excesso de peso é também um fator que deve ser considerado.

 

A lombalgia é um problema de origem multifatorial e sua instalação, intensidade, relato e prognóstico podem ser influenciados pela idade, sexo, nível global de aptidão física, mobilidade lombar, força lombar, tabagismo, atividades físicas não profissionais, história pregressa de lombalgia e anormalidades estruturais congênitas.

 

Após um diagnóstico adequado e tratamento com orientação médica, o retorno gradual às atividades diárias e à pratica de exercícios só se dará com o término da fase aguda. Será necessário modificar e adaptar a rotina de exercícios às possibilidades de movimento. Essa fase é delicada, pois é fundamental compreender como se sente uma pessoa que passou por uma crise de lombalgia ou de qualquer outra dor aguda ou crônica. É preciso respeitar esse momento, considerando as particularidades de cada caso.

 

Quanto mais restrições o indivíduo apresentar, maior a necessidade de acompanhamento profissional. Podem ocorrer crises de dor durante a recuperação. Não existe “receita de bolo”, cada caso é um caso.

 

Existem estudos reconhecendo a eficácia do método Pilates, entre outros para tratar a lombalgia. O que vai determinar o sucesso do tratamento é a forma como os movimentos são prescritos e supervisionados.

 

Foto by Claudio Boczon.

 

BIBLIOGRAFIA:

 

ACHOUR JUNIOR, Abdallah. Avaliando a Flexibilidade. Londrina: Midiograf, 1997.

ALTER, Michael J. Ciência da Flexibilidade. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

BROWN, David E. Segredos em Ortopedia: respostas necessárias ao dia a dia em rounds, clínicas, em exames orais e escritos. Porto Alegre: Artmed, 2001.

CAILLIET, Rene. Síndrome da Dor Lombar. Porto Alegre: Artmed, 2001.

GRIEVE, Gregory P. Moderna Terapia Manual da Coluna Vertebral. São Paulo: Panamericana, 1994.

NÓBREGA, Monica M. Lombalgia e Flexibilidade: um estudo sobre a sua relação, métodos e a utilização de exercícios de alongamentos.Trabalho de conclusão de curso de Graduação. Curitiba: Universidade Positivo, 2005.

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga